A RÁDIO PORTUGUESA E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL




     Depois da fratricida guerra em Espanha, na Europa, os regimes ditatoriais estavam mais fortes, Salazar em Portugal, Franco em Espanha, Mussolini na Itália e Hitler na Alemanha.
     A 1 de Setembro de 1939, Hitler dá inicio à Blitzkrieg, invadindo a Polónia, e dá inicio à Segunda Guerra Mundial cobrindo a Europa com a sua  persona trágica“.
     Do ponto de vista diplomático, e face à Europa, a política de Salazar caracterizou-se por uma gestão cuidadosa e uma postura defensiva, oscilando entre afinidades ideológicas com os governos ditatoriais, por um lado, e a tradicional aliança Luso–Britânica por outro.
     Com o inicio da II Guerra Mundial, Portugal toma a 21 de Setembro a decisão, através do decreto-lei: n.º 29 937, de suspender o funcionamento de todas as estações emissoras particulares devido à guerra. O mesmo diploma previa a concessão de autorizações especiais. O Rádio Clube Português e a Rádio Renascença e outras emissoras profissionais foram autorizados a emitir após um requerimento de funcionamento. Os postos amadores tiveram de encerrar.
     Das várias estações que continuaram a emitir um triunvirato tinha relações privilegiadas e disseminava a ideologia do Estado Novo: a Emissora Nacional que era controlada pelo governo, o Rádio Clube Português que pertencia a Jorge Botelho Moniz e que estava intimamente ligado ao regime salazarista e a Rádio Renascença que, pertencendo à igreja católica, estava parcialmente controlada pois existia uma relação de amizade entre Salazar e o cardeal Cerejeira. As outras estações sujeitaram-se à censura ou eram encerradas.
     As emissoras portuguesas tinham de estar vinculadas às posições governamentais, e a E.N. ainda mais, pois era porta-voz do que o governo queria dizer e do que queria que os portugueses ouvissem.
     O estado português proclamava internacionalmente a neutralidade mas internamente não deixava de demonstrar simpatia para com a Alemanha Nazi. Coube à British Broadcast Corporation tomar a voz da liberdade ao inaugurar em 1940, a secção portuguesa.
                               
                                   
                               Vista parcial da “Secção de noticiário Português” (1)                             Aspecto da “Secção Portuguesa de
                                                                                                   correspondência e informações”(1)

     As emissões da B.B.C. rapidamente se tornaram populares e Fernando Pessa era o locutor de eleição da maioria dos portugueses. “A B.B.C. fala e o mundo acredita” esta frase de Fernando Pessa acabaria por se tornar famosa.
Fernando Pessa aos microfones da BBC (1)
           As emissões da secção portuguesa da B.B.C. eram repartidas entre boletins noticiosos por Fernando Pessa, música e palestras. Algumas destas alocuções, feitas pelo Conde de Lavradio,
ficariam mesmo famosas.
O Conde de Lavradio aos microfones da BBC (2)
     Os discursos do Conde de Lavradio eram a favor dos Aliados, algumas contrariando mesmo as noticias veiculadas pelas emissoras portuguesas. “Churchill”, “O verdadeiro perigo”, “A caminho da vitória” e “A mudança vem tarde” foram algumas das palestras que o Conde de Lavradio fez através da B.B.C..
     Em Lisboa uma emissora destacava-se das outras pela imensa propaganda que fazia ao regime Nazi. Esta emissora era a Rádio Luso que era financiada directamente por fundos alemães e claro tentava fazer contra-informação á B.B.C..
     Quando a Alemanha perdeu a guerra a Rádio Luso encerrou as suas portas.
     No Porto as vozes mais concordantes com as ideologias governamentais eram a Invicta Rádio, que fecharia portas ainda na década de 40, e o Posto Emissor do Laboratório Técnico Electro-Mecânico.
     O Posto Electro-Mecânico era dirigido pelo Capitão Almeida Russo, que estava convertido às políticas do Estado Novo. As suas alocuções eram vibrantes e exaltadas e impressionavam quem as ouvisse, mas as conclusões do Capitão eram discutíveis.
     A II Guerra Mundial acabaria por terminar na Europa em Abril de 1945, tendo caído os regimes Nazi da Alemanha e Fascista da Itália, só Franco e Salazar se mantiveram no Poder.
     O regime português fortificou-se com a guerra, e após o termino desta estava de pedra e cal no poder. Com o encerramento da Rádio Luso nasceu uma outra emissora, a Rádio Juventude, orientada pela “Mocidade Portuguesa” de inspiração fascista e que duraria até aos anos 50, altura em que foi substituída pela Rádio Universidade.
     O regime ditatorial português durou até ao dia 25 de Abril de 1974, o regime espanhol caiu em 1975 após a morte de Francisco Franco.   
       
(1) - Fotos retiradas da brochura “B.B.C. - A VOZ DE LONDRES -  NA GUERRA”. Edição e ano desconhecidos.
(2) - Foto retirada da brochura “MAIS PALESTRAS PELO CONDE DE LAVRADIO”. Editado pelos serviços de Imprensa e Informação da Embaixada Britânica. Lisboa, 1942.


Esta página existe desde 12 de Julho de 2003
Ultima actualização: 30 de Janeiro de 2016

Sem comentários:

Enviar um comentário